20 junho, 2011

Texto narrativo- leitura e compreensão - 5° ano

Texto1 :  A lebre e a tartaruga
Esopo
A lebre vivia a se gabar de que era o mais veloz de todos os animais.
Até o dia em que encontrou a tartaruga.
– Eu tenho certeza de que, se apostarmos uma corrida, serei a vencedora – desafiou a tartaruga.
A lebre caiu na gargalhada.
– Uma corrida? Eu e você? Essa é boa!
– Por acaso você está com medo de perder? – perguntou a tartaruga.
– É mais fácil um leão cacarejar do que eu perder uma corrida para você – respondeu a lebre.
No dia seguinte a raposa foi escolhida para ser a juíza da prova. Bastou dar o sinal da largada para a lebre
disparar na frente a toda velocidade. A tartaruga não se abalou e continuou na disputa. A lebre estava tão certa da
vitória que resolveu tirar uma soneca.
"Se aquela molenga passar na minha frente, é só correr um pouco que eu a ultrapasso" – pensou.
A lebre dormiu tanto que não percebeu quando a tartaruga, em sua marcha vagarosa e constante, passou.
Quando acordou, continuou a correr com ares de vencedora. Mas, para sua surpresa, a tartaruga, que não
descansara um só minuto, cruzou a linha de chegada em primeiro lugar.
Desse dia em diante, a lebre tornou-se o alvo das chacotas da floresta.
Quando dizia que era o animal mais veloz, todos a lembravam de uma certa tartaruga...
Moral da história
O texto que você acabou de ler é uma fábula.
1. Quais são os personagens? O que os caracteriza?
2. As personagens emitem opiniões no texto. Identifique essas opiniões.
3. Por que a lebre não viu a ultrapassagem da tartaruga?
4. Qual a idéia expressa pelo termo grifado em “
lembravam de uma certa tartaruga” ?
5. Diga o que diferencia a expressão grifada – Quando – e a expressão “No dia seguinte” (3° Parágrafo).
6. Volte ao texto e identifique outras expressões que apresentem esta mesma idéia. De que forma
contribuem para a construção do texto?

Texto 2
QUEM É ROSEANA MURRAY
Roseana Murray
Digo como Neruda, poeta que amo: para nascer nasci. Para fazer poesia, amar, cozinhar para os amigos,
para ter as portas da casa e do coração sempre abertas. Nasci num dia quente de dezembro, em 1950, dois meses
antes do previsto, numa clínica em Botafogo. Sou filha de imigrantes poloneses que vieram para o Brasil fugindo do
antissemitismo. Gosto de mato e silêncio, não sou nada urbana. Durante muitos anos, vivi em Visconde de Mauá,
mas troquei Mauá por Saquarema em 2002, já que uma cirurgia na coluna tornou a montanha quase intransponível.
Mas o meu filho André Murray continua lá tocando as suas árvores e panelas no Restaurante Babel: ele é
Chef de Cozinha. Meu outro filho é músico, o Guga. Ele vive em Granada, na Espanha, e tem um trio no Brasil, o
Um Trio Vira-Lata. Eles são filhos do meu primeiro casamento. Desde 1997, estou casada com o Juan Arias,
jornalista e escritor. Tenho muitos livros publicados e leitores de todas as idades, aliás não acredito em idade, mas
sim em experiências vividas.
Fico muito feliz quando penso que um poema que escrevi, aqui na minha mesa, sozinha, chega a lugares tão
distantes e emociona tanta gente.
Fonte
www.roseanamurray.com/In:
1. O que diferencia o texto 1 do texto 2, quanto à apresentação do personagem?

2. Identifique a finalidade do texto 1 e do texto 2. Justifique com trecho de cada texto.

3. Explique o que significa “para ter as portas da casa e do coração sempre abertas”.

4. Destaque no texto um trecho que revela uma opinião. A seguir, diga se concorda ou
não com a opinião, justificando.

5. A mudança da autora para Saquarema é consequência de que fato?

6. O texto é de Roseana Murray e apresenta a própria autora no seu site. Agora
escreva um texto se apresentando. Diga do que você gosta, do que você não gosta,
onde você mora...enfim, o que considera importante dizer sobre você!
 
SME. Prova do segundo bimestre de 2009 – 5° ano
Quando dizia que era o animal mais veloz, todos a
: Quem segue devagar e com constância sempre chega na frente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário