20 junho, 2011

Leitura e compreensão - poema - 5 ano

Esta ficha propõe a leitura de um poema.
Antes mesmo de trabalharmos o gênero poema, é necessário
desenvolver uma atitude de leitura em que o aluno não mais tenta descobrir o
que está escrito, mas trabalha para construir um sentido para o que leu.
A partir desse tipo de leitura, uma leitura que não é descoberta, mas
construção, o aluno vai juntando pistas linguísticas, vai aprendendo a ler o
implícito.
Quando o aluno, por exemplo, preenche um quadro com as palavras de
“sentido negativo” e “ sentido positivo” estamos orientando a elaboração de
campos semânticos e associativos e isso poderá ajudá-lo a ler.
A pontuação nos ajuda na construção dos sentidos do texto. A
primeira questão desta ficha tem seu foco nisso. Converse com os alunos, leve
alguns textos nos quais se pode notar o uso expressivo dos sinais de
pontuação.
A partir do conhecimento de mundo dos alunos, as informações
sobre os bairros vão fazendo sentido. Pergunte a eles o porquê das relações:
samba/Vila Isabel, Santa Virgem/Penha, a garota/Ipanema, trabalho/Centro etc.
Explore também as rimas. Você pode fazer isso oralmente,
propondo que façam outras rimas possíveis, que combinem com o conteúdo do
texto. Esse é um exercício que trabalha o vocabulário do aluno. Aliás, a seleção
vocabular é fundamental no texto poético, em que a economia linguística ganha
especial relevância.
Outro aspecto importante é o ritmo construído pela pontuação. O
texto usa sequências curtas separadas por vírgulas, o que provoca um efeito
na leitura. Leve outros poemas para a sala e compare com eles para que
cheguem a conclusões sobre as características desse gênero textual.
O poema ao lado,
interessante para comparar, pois nele a pontuação é inexpressiva, sendo
importante a diagramação. Discuta com os alunos(as) de que forma a
diagramação contribui para a construção de sentidos no texto.
Vida de Sapo, de José Paulo Paes, pode serPara construir o sentido de um texto, é preciso seguir as pistas que ele nos oferece – as palavras selecionadas, o modo como
foram “arrumadas” no texto, os sinais de pontuação utilizados. É muito importante ler, reparando nos detalhes...
PASSEIO CARIOCA
J.Carino
Entre o mar e a montanha
minh’alma de poeta fica por um fio:
Rio.
Vida agitada, confusão maluca:
Tijuca.
Odeio o trabalho, quero praia e não aguento:
Centro.
Eis a brisa do mar e a garota que é poema:
Ipanema.
Suburbano sou, orgulhoso, confesso:
Bonsucesso.
Formado em samba, eis o meu anel:
Vila Isabel.
Protegei-me, Santa Virgem, tenha pena, tenha:
Penha.
Muitas vezes me sinto sem eira nem beira:
Madureira.
Ai, Dona Tristeza, suma, vá pra lá:
Jacarepaguá.
Tiro, assalto, fugas – um Armagedon:
Leblon.
Não obstante, luto, sonho, tenho garra:
Barra.
Saudade do que fiz e do que fazer não pude:
Saúde.
Ah, cidade que eu amo e que não me engana:
Copacabana.
Minha cidade, quem te tem não troca:
sou e serei sempre
Carioca.
www.almacarioca.com.br/carino
Vocabulário:
Armagedon – último combate entre o bem e o mal.
Repare:
1.  Muitos versos terminam seguindo uma lógica (Vida agitada, confusão maluca: Tijuca.). Qual é essa lógica? Em que essa lógica ajuda na construção dos sentidos do texto?
2.  São usados no texto vários nomes de bairros. Que associação podemos fazer entre esse uso e o título do poema?
3.  Há palavras no texto que atribuem um sentido negativo aos lugares e outras que atribuem um positivo. Complete o quadro identificando essas palavras.
Sentido negativo Sentido positivo
4.  Em que estes dois campos semânticos – de sentidos –contribuem para a construção de sentidos do texto?
5.  Há versos que deixam claro que o “eu” do texto gosta da Cidade do Rio de Janeiro. Identifique-os.

Um comentário: